Segunda-feira, 16 de Junho de 2008

As vantagens e desvantagens da imigração

Quais as vantagens e inconvenientes da imigração?

publicado por CP às 20:38
| Comentar
25 comentários:
De Vitor Cabral a 3 de Julho de 2008 às 21:23
PARA OS MIGRANTES:
VANTAGENS

- Encontro de condições de vida mais aprazíveis; com melhor qualidade
- Enriquecimento mais rápido face ao país de origem
- Acesso mais facilitado aos condicionalismos culturais, económicos e demográficos do país

DESVANTAGENS
- Adaptação mais ou menos lenta, de acordo com a pessoa
- Possível discriminação
PARA AS EMPRESAS:
VANTAGENS

- “Sangue Novo” com diversos tipos de know-how
- Mão-de-obra barata, por vezes com qualificações
- Maior e melhor produtividade
- Melhor competitividade

DESVANTAGENS
- Concorrência desleal por via do baixo custo de mão-de-obra
PARA A SOCIEDADE:
VANTAGENS

- Conhecimento de novas culturas e novas formas de encarar as situações
- Capitais externos

DESVANTAGENS
- Novas mentalidades que poderão chocar ou entrar em conflito
- Fuga de capitais
- Maior concorrência a nível do trabalho

http://www.ugt.pt/fiaet/por7.htm


De tania´s a 3 de Julho de 2008 às 21:41
Vantagens e desvantagens da imigração:

Vantagens e desvantagens da imigração.
"A imigração beneficia os países, os de origem e os de destino, diz o Estudo Económico e Social Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) deste ano. Contudo, apesar dos aspectos positivos, como o desenvolvimento económico, o fluxo de pessoas para outros Estados - em 2000, cerca de 175 milhões de pessoas viviam fora do país onde nasceram - levanta também algumas dificuldades, como a "fuga de cérebros". Por exemplo, o emigrante médio que sai da América Latina ou da Ásia tem mais do dobro da escolaridade do que os que ficam. Os medos de que os que chegam ao novo país roubem postos de trabalho ou façam baixar os salários não passam disso mesmo, de receios. O relatório - que foi elaborado pelo departamento dos Assuntos Económicos e Sociais da ONU -, afirma que não existe uma baixa significativa dos ordenados, nem das taxas de emprego entre a população do país de acolhimento.
Além disso, os imigrantes fazem subir a procura de bens e serviços, contribuem para o aumento do produto interno bruto e para os cofres do Estado, mais do que aquilo que recebem de retorno, acrescenta o relatório. Isto não acontece apenas no Estado que os recebe, mas também naquele de onde saíram. Os países de origem podem, se adoptarem políticas correctas, ressalva o relatório, maximizar os benefícios das remessas enviadas pelos emigrantes. Actualmente, essas remessas rondam os 60 mil milhões de euros. Os emigrantes residentes no estrangeiro são ainda "grandes investidores" nos seus países. Mas há perdas associadas à emigração, como a "fuga de cérebros", salienta o estudo. A escolaridade dos emigrantes africanos é três vezes superior à daqueles que ficam, o que se traduz numa pesada factura para o país de onde saem. É que esses Estados, em vias de desenvolvimento, perdem em termos de criatividade e inovação e ainda economicamente, já que aqueles que saem não pagam impostos.

http://carvalhadas-on-line.blogspot.com/2004/12/vantagens-e-desvantagens-da-imigrao.html


De Fátima e Helena a 3 de Julho de 2008 às 23:06
O número de mulheres migrantes, em todo o Mundo, ascende a 90 milhões, o que corresponde a quase metade da totalidade dos migrantes (49%). A sua percentagem é particularmente elevada em países/regiões de acolhimento como a Austrália, o Canadá, os Estados Unidos e a Europa.

Naturalmente, no curso da reflexão sobre Imigração, foi sendo atribuída crescente atenção aos temas relacionados com Género. Este cuidado decorre não só do crescimento do número de mulheres migrantes – presença essa que aumentou no total de migrantes de 46,6%, em 1960, para 49%, em 2000 - e da especificidade dos fluxos migratórios femininos, mas também da verificação de efectiva discriminação acrescida.

Verifica-se que as mulheres migrantes sofrem no quadro migratório uma dupla desvantagem comparativa - por um lado, a desvantagem de ser mulher em relação ao homem e, por outro, de ser migrante em vez de autóctone - e que tem um efeito muito marcado. Essa desigualdade é igualmente reforçada a montante. pelo contexto do país de origem que, sendo habitualmente países em vias de desenvolvimento, tem - por regra - ainda muito marcada a diferença de género, com limitações no acesso das mulheres a níveis de instrução e de formação profissional mais diferenciados.
A importância no quadro de sociedades onde a mulher está confinada a um estatuto menor e dependente. Nesse contexto, a migração destas mulheres pode representar uma janela de oportunidade de autonomia, desde que não se deixem enredar pela reprodução no país de destino dos mesmos laços sociais que a condicionavam no país de origem e que consigam vencer as desvantagens competitivas já referidas.
Algumas vezes, o casamento misto surge também como um expediente de integração e de aquisição de situação legal mais estável, por exemplo, através da possibilidade de naturalização.
A defesa da dignidade da mulher, ainda que possa ter matizes culturalmente condicionadas, tem um padrão comum que não pode ser colocado em causa, sob pena de se fracturarem valores básicos da sociedade de acolhimento.
A questão do tráfico de mulheres para exploração sexual é um problema complexo que, no entanto, exige a partida uma clarificação de princípios. É inaceitável, em qualquer circunstância, o tráfico de pessoas, mesmo quando se argumenta que se trata eventualmente de uma opção livremente exercida pela mulher envolvida. De novo, a dignidade da Pessoa, não permite contemporizações com este fenómeno. Deve, por isso, ser combatido todo o sistema de exploração que viabiliza este circuito, ao mesmo tempo que se deve proteger e recuperar as mulheres vítimas de tráfico.
É evidente que a reflexão e acção futuras no domínio das políticas de imigração devem continuar a consolidar a atenção crescente que tem sido dada ás questões de género.

As Nações Unidas, no relatório já referido, tendo em vista a melhor integração das mulheres migrantes, recomendam, entre outras medidas:
• Capacitação das mulheres, para que participem nas decisões que as afectam a si próprias e às suas famílias;
• Protecção dos direitos e da segurança das mulheres migrantes, das refugiadas e das que são objecto de tráfico, nomeadamente através de legislação e de convenções internacionais mas também, o que é ainda mais importante, graças a programas que as ajudem a afirmar os seus direitos;
• Aumentar as oportunidades de emprego e o acesso à educação, à formação, à habitação segura e a preços acessíveis, aos cuidados de saúde e a outros serviços; e
• Mais dados, sobretudo dados desagregados, sobre as mulheres e a migração, acompanhados de um estudo quanto às suas causas e efeitos, a fim de permitir criar uma base em que possa assentar a formulação de políticas e programas.

Nesta mesma direcção importa reforçar o envolvimento das mulheres migrantes em movimentos associativos com participação também de mulheres autóctones, bem como estimular e reforçar o empenho da sociedade civil do país de acolhimento para estas problemáticas específicas.
http://homomigratius.blogspot.com/2006/03/mulher-migrante-dupla-desvantagem.html


De Filipa Soares a 4 de Julho de 2008 às 15:59
Vantagens e desvantagens da imigração.

"A imigração beneficia os países, os de origem e os de destino, diz o Estudo Económico e Social Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) deste ano. Contudo, apesar dos aspectos positivos, como o desenvolvimento económico, o fluxo de pessoas para outros Estados – em 2000, cerca de 175 milhões de pessoas viviam fora do país onde nasceram – levanta também algumas dificuldades, como a "fuga de cérebros". Por exemplo, o emigrante médio que sai da América Latina ou da Ásia tem mais do dobro da escolaridade do que os que ficam. Os medos de que os que chegam ao novo país roubem postos de trabalho ou façam baixar os salários não passam disso mesmo, de receios. O relatório – que foi elaborado pelo departamento dos Assuntos Económicos e Sociais da ONU, afirma que não existe uma baixa significativa dos ordenados, nem das taxas de emprego entre a população do país de acolhimento.


Os imigrantes fazem subir a procura de bens e serviços, contribuem para o aumento do produto interno bruto e para os cofres do Estado, mais do que aquilo que recebem de retorno. Isto não acontece apenas no Estado que os recebe, mas também naquele de onde saíram. Os países de origem podem, se adoptarem políticas correctas, ressalva o relatório, maximizar os benefícios das remessas enviadas pelos emigrantes. Actualmente, essas remessas rondam os 60 mil milhões de euros. Os migrantes residentes no estrangeiro são ainda "grandes investidores" nos seus países. Mas há perdas associadas à emigração, como a "fuga de cérebros", salienta o estudo. A escolaridade dos emigrantes africanos é três vezes superior à daqueles que ficam, o que se traduz numa pesada factura para o país de onde saem. É que esses Estados, em vias de desenvolvimento, perdem em termos de criatividade e inovação e ainda economicamente, já que aqueles que saem não pagam impostos.


No país de origem Portugal, os migrantes têm as seguintes vantagens:

- Possibilidade de procura de uma vida melhor, com condicionalismos mais favoráveis;
- Conhecimento de novas realidades;
- Enriquecimento de mentalidade…


Mas também têm algumas desvantagens, tais como:

- Abandono da terra natal, com possíveis consequências psicológicas e emocionais;
- Encontro de um desconhecido pouco aprazível…

Para a sociedade também tem algumas vantagens e desvantagens:

Vantagens:
- Maior índice de emprego;
- Mais facilidades por via da diminuição populacional trabalhadora;
- Injecção de capitais externos…

Desvantagens:
- Diminuição populacional com o seu consequente envelhecimento;
- Desertificação de determinadas zonas populacionais;
- Fuga de capitais…

No país de destino a Portugal, os migrantes têm as seguintes vantagens:

- Mais população para a mão-de-obra;

Mas também têm algumas desvantagens, tais como:

- Tiram o direito de muitos trabalharem no seu próprio país…

Para a sociedade tem a seguinte vantagem:

- Intercâmbio cultural…

http://www.ugt.pt/fiaet/por7.htm



De Filipa Soares a 5 de Julho de 2008 às 16:18
Vantagens e desvantagens da imigração.

"A imigração beneficia os países, os de origem e os de destino, diz o Estudo Económico e Social Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) deste ano. Contudo, apesar dos aspectos positivos, como o desenvolvimento económico, o fluxo de pessoas para outros Estados – em 2000, cerca de 175 milhões de pessoas viviam fora do país onde nasceram – levanta também algumas dificuldades, como a "fuga de cérebros". Por exemplo, o emigrante médio que sai da América Latina ou da Ásia tem mais do dobro da escolaridade do que os que ficam. Os medos de que os que chegam ao novo país roubem postos de trabalho ou façam baixar os salários não passam disso mesmo, de receios. O relatório – que foi elaborado pelo departamento dos Assuntos Económicos e Sociais da ONU, afirma que não existe uma baixa significativa dos ordenados, nem das taxas de emprego entre a população do país de acolhimento.


Os imigrantes fazem subir a procura de bens e serviços, contribuem para o aumento do produto interno bruto e para os cofres do Estado, mais do que aquilo que recebem de retorno. Isto não acontece apenas no Estado que os recebe, mas também naquele de onde saíram. Os países de origem podem, se adoptarem políticas correctas, ressalva o relatório, maximizar os benefícios das remessas enviadas pelos emigrantes. Actualmente, essas remessas rondam os 60 mil milhões de euros. Os migrantes residentes no estrangeiro são ainda "grandes investidores" nos seus países. Mas há perdas associadas à emigração, como a "fuga de cérebros", salienta o estudo. A escolaridade dos emigrantes africanos é três vezes superior à daqueles que ficam, o que se traduz numa pesada factura para o país de onde saem. É que esses Estados, em vias de desenvolvimento, perdem em termos de criatividade e inovação e ainda economicamente, já que aqueles que saem não pagam impostos.


No país de origem Portugal, os migrantes têm as seguintes vantagens:

- Possibilidade de procura de uma vida melhor, com condicionalismos mais favoráveis;
- Conhecimento de novas realidades;
- Enriquecimento de mentalidade…


Mas também têm algumas desvantagens, tais como:

- Abandono da terra natal, com possíveis consequências psicológicas e emocionais;
- Encontro de um desconhecido pouco aprazível…

Para a sociedade também tem algumas vantagens e desvantagens:

Vantagens:
- Maior índice de emprego;
- Mais facilidades por via da diminuição populacional trabalhadora;
- Injecção de capitais externos…

Desvantagens:
- Diminuição populacional com o seu consequente envelhecimento;
- Desertificação de determinadas zonas populacionais;
- Fuga de capitais…

No país de destino a Portugal, os migrantes têm as seguintes vantagens:

- Mais população para a mão-de-obra;

Mas também têm algumas desvantagens, tais como:

- Tiram o direito de muitos trabalharem no seu próprio país…

Para a sociedade tem a seguinte vantagem:

- Intercâmbio cultural…

http://www.ugt.pt/fiaet/por7.htm



De Anónimo a 6 de Janeiro de 2017 às 21:00
simplesmente ridículo este comentário...
cumprimentos


De Filipa Soares a 7 de Julho de 2008 às 20:39
Vantagens e desvantagens da imigração.

"A imigração beneficia os países, os de origem e os de destino, diz o Estudo Económico e Social Mundial da Organização das Nações Unidas (ONU) deste ano. Contudo, apesar dos aspectos positivos, como o desenvolvimento económico, o fluxo de pessoas para outros Estados – em 2000, cerca de 175 milhões de pessoas viviam fora do país onde nasceram – levanta também algumas dificuldades, como a "fuga de cérebros". Por exemplo, o emigrante médio que sai da América Latina ou da Ásia tem mais do dobro da escolaridade do que os que ficam. Os medos de que os que chegam ao novo país roubem postos de trabalho ou façam baixar os salários não passam disso mesmo, de receios. O relatório – que foi elaborado pelo departamento dos Assuntos Económicos e Sociais da ONU, afirma que não existe uma baixa significativa dos ordenados, nem das taxas de emprego entre a população do país de acolhimento.


Os imigrantes fazem subir a procura de bens e serviços, contribuem para o aumento do produto interno bruto e para os cofres do Estado, mais do que aquilo que recebem de retorno. Isto não acontece apenas no Estado que os recebe, mas também naquele de onde saíram. Os países de origem podem, se adoptarem políticas correctas, ressalva o relatório, maximizar os benefícios das remessas enviadas pelos emigrantes. Actualmente, essas remessas rondam os 60 mil milhões de euros. Os migrantes residentes no estrangeiro são ainda "grandes investidores" nos seus países. Mas há perdas associadas à emigração, como a "fuga de cérebros", salienta o estudo. A escolaridade dos emigrantes africanos é três vezes superior à daqueles que ficam, o que se traduz numa pesada factura para o país de onde saem. É que esses Estados, em vias de desenvolvimento, perdem em termos de criatividade e inovação e ainda economicamente, já que aqueles que saem não pagam impostos.


No país de origem Portugal, os migrantes têm as seguintes vantagens:

- Possibilidade de procura de uma vida melhor, com condicionalismos mais favoráveis;
- Conhecimento de novas realidades;
- Enriquecimento de mentalidade…


Mas também têm algumas desvantagens, tais como:

- Abandono da terra natal, com possíveis consequências psicológicas e emocionais;
- Encontro de um desconhecido pouco aprazível…

Para a sociedade também tem algumas vantagens e desvantagens:

Vantagens:
- Maior índice de emprego;
- Mais facilidades por via da diminuição populacional trabalhadora;
- Injecção de capitais externos…

Desvantagens:
- Diminuição populacional com o seu consequente envelhecimento;
- Desertificação de determinadas zonas populacionais;
- Fuga de capitais…

No país de destino a Portugal, os migrantes têm as seguintes vantagens:

- Mais população para a mão-de-obra;

Mas também têm algumas desvantagens, tais como:

- Tiram o direito de muitos trabalharem no seu próprio país…

Para a sociedade tem a seguinte vantagem:

- Intercâmbio cultural…

http://www.ugt.pt/fiaet/por7.htm



De Eduarda Azevedo a 7 de Julho de 2008 às 21:32
A imigração beneficia os países, os de origem e os de destino,o emigrante médio que sai da América Latina ou da Ásia tem mais do dobro da escolaridade do que os que ficam. Os medos de que os que chegam ao novo país roubem postos de trabalho ou façam baixar os salários não passam disso mesmo, de receios. O relatório que foi elaborado pelo departamento dos Assuntos Económicos e Sociais da ONU, afirma que não existe uma baixa significativa dos ordenados, nem das taxas de emprego entre a população do país de acolhimento.
Além disso, os imigrantes fazem subir a procura de bens e serviços, contribuem para o aumento do produto interno bruto e para os cofres do Estado, mais do que aquilo que recebem de retorno. Os migrantes residentes no estrangeiro são ainda "grandes investidores" nos seus países. Mas há perdas associadas à emigração, como a "fuga de cérebros". A escolaridade dos emigrantes africanos é três vezes superior à daqueles que ficam, o que se traduz numa pesada factura para o país de onde saem. É que esses Estados, em vias de desenvolvimento, perdem em termos de criatividade e inovação e ainda economicamente, já que aqueles que saem não pagam impostos.





http://carvalhadas-on-line.blogspot.com/2004/12/vantagens-e-desvantagens-da-imigrao.html


De abrantes a 27 de Novembro de 2011 às 10:48
recusarao assistencia medica a minha mulher que e francesa e normal?


Comentar post

Escola EB 2,3/S de Baião

Pesquisar neste blog

 

Junho 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29


Posts recentes

As dificuldades e os prob...

Os direitos e deveres dos...

As vantagens e desvantage...

Políticas de imigração

Os principais fluxos migr...

O conceito de imigração e...

Unidade 4 - A imigração e...

Arquivos

Junho 2008

Maio 2008